Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018

Murilo Mendes Maciel

Formação: Doutorado em Teologia Ministerial pela FATECBA e Licenciatura em História pela UNINTER

Ver todas as colunas

Os mitos continuam presentes na sociedade



Estamos no Ano de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo precisamente no dia nove de julho de Dois Mil e Dezoito; as treze horas e vinte e nove minutos; em um dia ensolarado que irradia uma luminosidade diferenciada reportando nosso pensamento aos primórdios, quando do ato criativo divinal o luminar maior fora criado por Deus. Uma estrela de quinta grandeza capaz de aquecer todo nosso globo terrestre, considerado como divindade maior pelos povos da antiguidade. Quer fossem romanos ou astecas;o grande deus sol estava lá, soberano, digno de oferendas e sacrifícios. Mulheres e crianças eram oferecidas em sacrificio. Séculos nos separam dessa realidade tanto européia como americana. Para alguns pode parecer que as divindades da antiguidade apenas estão presentes nos museus como, Louvre, na França; o do Cairo, no Egipto. Mas a realidade é muito mais que um mero filme épico ou mitológico. Os chamados mitos ou lendas;que estamos acostumados a ler e assistir em nossos telelevisores ou smartphones, costumam ser japoneses, nórdiços, gregos, hindianos ou romanos; mas, também temos os americanos e mais próximos de nós os regionais e nossas lendas urbanas.

Quantas vezes quando criança ouvia minha avó dizer para não sair quando estava escurecendo, era perigoso, tinha o bicho-papão; depois agente cresce um pouco e muda a estória, é o esconde-atrás; e quando achamos que estamos ficando moços vem a bruxa.

Minha falecida sogra contava que no seu tempo de fazenda tinha lobisomem.

Os mitos sempre estiveram presentes no imaginário das pessoas e em seu cotidiano  e religiosidade desde os primíordeos. O homem primitivo tinha uma carencia de algo superior, tudo que ele considerava mais forte chamava de divindade; uma pequena pedra no caminho ferindo acidentalmente seu pé tornaria em um deus poderoso que teveria sua adoração e reverência.

As cidades foramsurgindoe as populações aumentando e a religiosidade juntamente com as divindades aos milhares permaneceram permeando nosso globo. Os indianos ainda hoje possuem minhares de divindades; desenhos são produzidos divulgando a religiosidade dessa cultura; mas não é apenas lá que isso ocorre. Temos nosso folclore e o sací,a cúca. 

Mais proximo de nós que pensamos, os mitos e a religiosidade, estam ainda que você não acredite. Veja - em uma pastelaria oriental você entra e encontra um gatinho dando tchau para você, em uma loja de confecção você passa em frente e lê a placa Amom Rá, em uma outra de langerie lemos Afrodite.

Percebemos; que os séculos passaram, mas, eles continuiam lá, presentes na sociedade.

 












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.